Odontologia baseada em likes?


Os smartphones, apps, as mídias sociais, likes,  o Google, a Internet em si são agentes de grande mudança no nosso estilo de vida, nas nossas escolhas e na nossa comunicação. Tenho percebido, junto com alguns colegas, um fenômeno um tanto quanto maluco na Odontologia e em outras áreas da saúde, de proporções mundiais no comportamento do ser humano. Algo que enxergo como ruim, superficial e que vou tratar de modo bastante duro no texto à seguir. Portanto, pegue seu “mimimi”, guarde-o na gaveta e siga a leitura. Depois me conte nos comentários se concorda ou discorda. 

Não há dúvidas que esse início de século marca a era das mídias sociais. Adicione a isso a vastidão de informação – nem sempre de qualidade – disponível na Internet e a nossa quase dependência daquela maquininha que antes servia apenas para fazer ligações telefônicas de qualquer lugar. Sim, estou falando do Smartphone. Parece que as pessoas têm escolhido dentista se baseando apenas no sucesso que ele ou ela faz nas redes sociais.

Impressionante como quase tudo vai caminhando para este lado: os cursos que as pessoas escolhem são aqueles que mais aparecem na timeline, ou de professores que têm mais seguidores no Instagram ou fotos curtidas no Facebook. A matéria que as pessoas vão procurar ler são apenas as “mais vistas”, portanto a informação mais acessada e mais lida vai ser a informação de eleição, mesmo ela sendo fútil, falsa ou ainda uma tal pós-verdade. 

“Estou precisando encontrar um ortodontista”

As pessoas perguntavam ao seu dentista clínico geral alguma indicação, perguntavam aos amigos, parentes ou vizinhos, olhavam pelo bairro, falavam com colegas de trabalho. Ok, isso ainda acontece. Porém muita gente vai direto buscar nas redes sociais apenas se baseando no número de seguidores, amigos, likes, comentários, acessos, enfim, qualquer indicador numérico que as redes sociais exibem e hoje parecem ter mais importância que outros atributos. Então tá. E qual o problema nisso? O problema é que tudo isso pode ser comprado. Pode não ser real. É super inflado. É um sucesso muitas vezes falso, poluído por perfis de pessoas que não existem.

Veja, não estou falando que não se deve pesquisar as pessoas na Internet. A gente sabe que hoje todo mundo faz isso. Nem que quem tem muitos seguidores e likes seja um mal profissional. O que estou dizendo é que alguns números que vemos por aí, no Instagram e no Facebook principalmente, não são confiáveis, isto é, muitos deles não foram obtidos organicamente e sim por meio de altos investimentos. Se esse tipo de investimento está certo ou errado, também não julgo. Isso faz parte da escolha de cada um na hora de pensar no seu marketing. Acredito e até sugiro para as pessoas um investimento nessas ferramentas, mas não da maneira “pirateada” que muitos perfis fazem. Entenda melhor sobre essa falsa popularidade neste artigo do Blog Profissão Dentista – AQUI

O que eu acho grave: Escolher profissionais de qualquer área se baseando única e exclusivamente no sucesso que essa pessoa faz online. Deixou-se um pouco de lado o currículo, a qualidade, a confiança, o tato, a conversa, a investigação para se confiar cegamente em números irreais e num glamour fabricado. Tem gente tomando injeção na testa de graça sim. Em troca de um repost. O melhor é o “famosinho”? É o que fez os dentes dessa ou daquela ex Reality Show, ou da nova namorada marombeira do cantor que lançou o novo hit no rádio? O que houve com o tratamento de cáries e a raspagem dos dentes? Ninguém mais quer fazer? Porque tem de monte ainda!  

Está na hora de olhar além dos números e de pararmos de ficar paranóicos com eles. 

O que eu acho mais grave: Os futuros dentistas estão cada vez mais vidrados, estudando pela Internet, mas não lendo os artigos científicos do Google Acadêmico. Estudando vendo imagens de Instagram. Mesmo na busca do nosso amigo Google, existe uma gama de informação imensurável na rede. Entretanto, como distinguir a informação boa da ruim? Na busca é possível encontrar conceitos ultrapassados, postagens sem base científica nenhuma e opiniões de aventureiros ou sub-celebridades. Isso tudo porque o Google não consegue ainda filtrar com total precisão de conteúdo. Ele mostra ali nos primeiros links o que é mais lido. Não os mais corretos ou comprometidos com uma opinião idônea.

Esse texto desse blog, há 7 anos no ar, que sempre prezou pela opinião baseada em fatos, com análises claras e objetivas não é uma indireta a nenhum dentista e nem “invejinha” de dentistas que esbanjam sucesso nas redes. É uma direta a você que está baseando suas escolhas em números vazios. Uma Odontologia baseada em likes, onde o que as pessoas tomam como exemplo é a foto mais curtida, é um desastre. Precisamos nos basear nos pilares da ciência e do bom senso. Não é porque toda celebridade de terceira categoria está metendo azulejo branco nos dentes que você deve almejar isso para sua vida. 

Um Abraço,

Luiz Rodolfo

One Response to Odontologia baseada em likes?

  1. Carlos says:

    Super concordo!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*